Saltar para o conteúdo principal da página

Comissão de Coordenação e Desenvolvimento Regional do Norte

Comissão de Coordenação e Desenvolvimento Regional do Norte União Europeia

Menu Mobile

A Assembleia do Agrupamento Europeu de Cooperação Territorial Galiza-Norte de Portugal mostrou preocupação pela manutenção do encerramento da fronteira luso-espanhola, reclamando pelo fim da mesma, alegando “que já não faz sentido do ponto de vista epidemiológico”. Xunta de Galicia e CCDR-N, integrantes do AECT, lamentam que as restrições se mantenham devido ao seu impacto negativo, tanto a nível económico como social.

A Assembleia relembrou ainda o compromisso alcançado pelos governos de Espanha e Portugal, na cidade da Guarda no passado mês de outubro, onde ficoi acordado a criação de um mecanismo político para dar seguimento às decisões adotadas nas cimeiras luso-espanholas, solicitando a sua inclusão no mesmo assim que se formalize o início do seu funcionamento. Na mesma linha, Xunta de Galicia e CCDR-N solicitaram a participação na futura atualização do Tratado de Valencia, que regula a cooperação transfronteiriça entre entidades e instâncias territoriais, assinado em 2002.

O encontro serviu ainda para aprovar as contas do passado ano, assim como do orçamento e o programa de atividades para o ano de 2021. A análise das atividades desenvolvidas pelo AECT no ano 2020 também esteve em cima da mesa, num ano marcado pela pandemia de COVID-19.

Na reunião anual do Conselho Superior e a Assembleia do AECT, realizada online, no dia 27 de abril, participaram Beraldino Pinto, vice-presidente da CCDR-N e Jesús Gamallo, director xeral de Relacións Exteriores e coa Unión Europea da Xunta de Galicia, como membros do Conselho Superior, e Célia Ramos, Raquel Meira, Sandra Oliveira, Miguel Corgos López-Prado, Natalia Prieto Viso, Belém do Campo Pinheiro, como membros da Assembleia, junto a Xosé Lago e Graça Fonseca, diretor e sub-diretora do AECT.

Voltar ao Topo da Página