Região do Norte

Relatório da CE confirma declínio demográfico da Região do Norte

2011-2019

No relatório da Comissão Europeia (CE) sobre “O Impacto das Alterações Demográficas”, as sub-regiões do Norte de Portugal aparecem abaixo da média dos 27 Estados-Membros quando analisados indicadores demográficos. Enquanto que a nível europeu, entre 2011 e 2019, verificou-se um crescimento médio de 1,56 por cento, nas sub-regiões do Norte houve um declínio demográfico, mais acentuado nas sub-regiões do Alto Minho, Alto Tâmega, Douro e Terras de Trás-os-Montes.

O retrato da Região do Norte faz-se numa dupla tendência. As sub-regiões da Área Metropolitana do Porto, do Ave, Cávado, bem como Tâmega e Sousa perderam até 5 por cento da população. Já o decréscimo no Alto Minho, Alto Tâmega, Douro e Terras de Trás-os-Montes situa-se entre os 5 e os 10 por cento.

O relatório, publicado no passado mês de junho, conclui que, em determinadas regiões europeias, “o declínio da população é uma tendência prolongada, muitas vezes ao longo de décadas, e espera-se que mais regiões passem por esta situação nas próximas décadas”. Por outro lado, sabe-se que 65 por cento da população dos Estados-Membros vive em uma região onde a população cresceu entre 2011 e 2019.

O estudo acrescenta que durante a pandemia da COVID-19 a densidade populacional e a categoria de região – quer sejam urbanas ou rurais – “parecem ter sido um fatores na disseminação do vírus”. “Estima-se que o vírus tenha chegado mais cedo nas regiões urbanas e se espalhou mais rapidamente em comparação às regiões intermediárias e rurais”, lê-se no documento.