À conversa com

Leonor Baldaque revive filme e livro “Vale Abraão”

A partir da visualização do filme e livro “Vale Abraão”, Leonor Baldaque, atriz icónica de Manoel de Oliveira, falou da ligação profunda à película e dos laços familiares que traçaram a sua ligação ao Douro. A conversa decorreu no dia 3 de junho, domingo, pelas 15h00, em Armamar, no Auditório Fundação Gaspar e Manuel Cardoso.

A longa-metragem do cineasta português, que estreou em 1991, foi inspirada na mítica obra da escritora Agustina Bessa-Luís, avó de Leonor Baldaque, e retrata um romance passado na região duriense, com temáticas vincadas e relacionadas com a arte, a natureza e própria Mulher.

Leonor Baldaque fez a sua carreira de atriz essencialmente com Manoel de Oliveira, tendo iniciado o seu percurso em 1999, com “Inquietude”. Depois do último filme, “A Religiosa Portuguesa”, de Eugène Green, foi viver temporariamente para Roma, onde se dedicou à sua atividade de escritora. Publicou o primeiro romance em 2012, “La Vie Légère”, e colabora desde há vários anos com a revista LER, onde assina uma crónica intitulada “Anatomia de um Clássico”.

 

 

Esta sessão insere-se na iniciativa "SOMOS DOURO", promovida pela CCDR-N, a Comunidade Intermunicipal do Douro e a Liga dos Amigos do Douro Património Mundial no âmbito da classificação do Alto Douro Vinhateiro Património Mundial. Comissariada por Anabela Mota Ribeiro, jornalista natural da região, esta ação foi desenhada para envolver a população do território num festival que inclui um fórum, conversas, roteiros, oficinas e espetáculos nos 19 concelhos do Douro.