O emprego na Região do Norte continua a crescer acima da média nacional. De acordo com os dados do relatório NORTE CONJUNTURA do 3º trimestre de 2018, o emprego nesta região cresceu 2,6 por cento em termos homólogos, impulsionado sobretudo pela construção, pelas indústrias transformadoras e pelo emprego na administração pública. A taxa de desemprego mantém-se nos 7,2 por cento.

Os indicadores trimestrais do NORTE CONJUNTURA relativos ao consumo privado e ao investimento dão igualmente nota de uma evolução positiva no trimestre em análise. Destacam-se dois  indicadores que inverteram a tendência negativa que tinha dominado a primeira metade do ano: o valor das importações de máquinas e outros bens de capital (exceto material de transporte), e o emprego no setor da construção, com um ganho de 16,5 por cento.

O verão fica, também, marcado por um crescimento regional do número de dormidas, o que contraria a variação homóloga negativa a nível nacional. Os indicadores de proveitos totais e de aposento mantiveram elevados níveis de crescimento (7,8 por cento e 8,1 por cento, respetivamente), embora em desaceleração.

Numa nota menos favorável, o NORTE CONJUNTURA refere o comportamento das exportações de mercadorias por parte de empresas da Região do Norte, com uma variação homóloga nominal praticamente nula. O abrandamento foi motivado sobretudo pela evolução das exportações de produtos tradicionais, como o vestuário de malha, o mobiliário e o calçado, bem como de máquinas, aparelhos e materiais elétricos.

O NORTE CONJUNTURA, relatório trimestral que apresenta as tendências da evolução económica na Região no curto prazo, está disponível em on-line em www.ccdr-n.pt/norte-conjuntura.