Investimento

Conselho Regional de Inovação do Norte avalia prioridades de investimento para 2021-2027

Apoio ao tecido empresarial e à aplicação do Acordo de Paris

O Conselho Regional de Inovação do Norte (CRIN), órgão consultivo da CCDR-N com competências para se pronunciar sobre a aplicação dos fundos europeus na região, reuniu pela primeira vez esta semana e arrancou com a revisão das prioridades de investimento do próximo quadro comunitário de apoio 2021-2027, em particular com as que serão inscritas no documento de planeamento “Estratégia Regional de Especialização Inteligente – RIS3 NORTE 2027” e que se cruzam com os dois objetivos da Comissão Europeia de apoiar o tecido empresarial e a aplicação do Acordo de Paris, com medidas de redução de emissão de gases estufa.

“O objetivo é avançar com um exercício de revisão e ajustamento face à aplicação dos apoios no quadro 2014-2020. Não se trata de partir do zero, mas de revisitar as opções feitas anteriormente à luz dos desenvolvimentos entretanto ocorridos”, explicou Ester Silva, Vice-Presidente da CCDR-N, aos membros do CRIN, dando nota de que o objetivo é colocar em consulta pública a proposta de RIS3 NORTE 2027 no início do segundo semestre de 2020. Até lá, serão organizados workshops temáticos, inquéritos e reuniões no sentido de uma ampla recolha de contributos dos atores regionais.

De acordo com o cronograma previsto, o CRIN reunirá em oito grupos de trabalho, designados por plataformas regionais de especialização inteligente, de acordo com os domínios prioritários identificados no quadro 2014-2020 e que juntam diferentes setores de atividade num só grupo: Ciências da Vida e Saúde; Cultura, Criação e Moda; Recursos do Mar e Economia; Capital Humano e Serviços Especializados; Indústrias de Mobilidade e Ambiente; Sistemas Avançados de Produção; Sistemas Agroambientais e Alimentação; Capital Simbólico, Tecnologias e Serviços do Turismo.

O CRIN, órgão consultivo e presidido pela CCDR-N, destina-se a assegurar a participação ativa dos atores regionais na monitorização e avaliação contínua da implementação da Estratégia Regional de Especialização Inteligente (RIS3 NORTE). Integra na sua composição, nomeadamente, representantes de entidades de ensino superior, entidades nacionais de planeamento e de gestão de políticas de I&I, clusters e associações empresariais, entidades do sistema científico e tecnológico, entidades intermunicipais e outras organizações e entidades com relevância para a implementação da RIS3 NORTE.